Grua - Quais os benefícios deste equipamento e como viabilizá-lo?

Você certamente já deve ter visto este equipamento de transporte vertical* trabalhando em uma obra e acredito que tem uma grande chance de ter sido uma obra vertical. É impressionante a forma como aquele guindaste gigantesco fica girando de um lado para o outro transportando os mais diversos tipos de materiais, alcançando quase que todo o terreno da obra.

O nome técnico deste equipamento é GRUA. É utilizada para transporte e elevação de equipamentos e materiais pesados no qual é limitada pela capacidade humana.

Neste artigo eu quero abordar alguns benefícios e os impactos que uma grua provoca na obra. Também vamos falar de formas de viabilizar este versátil equipamento para poder reduzir o PRAZO e o CUSTO do seu empreendimento.

É evidente que o uso de gruas para construções verticais é quase que indispensável. Ela realmente resolve o problema de transporte vertical em uma obra, além de colaborar bastante com o transporte horizontal, limpeza e outras utilidades. Muita coisa pode ser agilizada com um equipamento como esse à disposição no canteiro, em alguns casos, empresas optam por locar mais de um destes. Um pallet de blocos que geralmente contém de 80 a 120 peças (depende o tamanho), pode sair da carreta do caminhão até lá em cima na laje onde será utilizado em questão de segundos.

Muita gente sabe disso, mas às vezes por falta de cultura (de uso do equipamento) da empresa ou por falta de estudo dos custos e benefícios por parte da equipe técnica de engenharia, o equipamento é deixado de lado pela ideia de que “é muito caro" e a obra acaba sofrendo bastante com transporte horizontal e vertical de materiais durante toda a construção.

Realmente, não é fácil enxergar todos os benefícios antes de efetivamente usá-la na sua obra. Também nunca vi um estudo de alguma empresa que tenha construído duas obras semelhantes, uma com a grua e outra sem, para divulgar os resultados. Existem muitos trabalhos técnicos e teóricos, mas nada efetivamente prático por aí que possa servir de orientação.

Eu já utilizei gruas em três obras da minha empresa e vou compartilhar alguns resultados e experiências aqui neste artigo para vocês poderem usar como base na hora em que estiverem em uma situação de estudo deste equipamento.

Também já utilizei gruas em obras que eu era a empresa que estava executando o serviço (No caso, o empreiteiro). É incrível a redução de custos com ajudantes (transporte) que eu tive nesta obra em que tinha uma grua à minha disposição. Porém, quando eu trabalhei com ela como engenheiro, eu não tinha enxergado tão bem, como ela otimiza os resultados do empreiteiro.

A principal causa dos engenheiros não conseguirem encontrar a viabilidade no estudo deste equipamento é porque eles geralmente não sabem “vender" o peixe para o empreiteiro. Eu sempre trabalhei com mão-de-obra terceirizada, por isso falo bastante sobre isso aqui no blog. Se a sua empresa trabalha em regime de contratação de funcionários próprios, você vai perceber mais ainda os benefícios da grua, pois a mão-de-obra e a produtividade são SUA responsabilidade e você com certeza está por dentro de como o pessoal sofre com transporte de material, que demora pra chegar no local de trabalho.

Eu sugiro que você exija do seu empreiteiro, orçamento dos serviços com fornecimento ou não da grua pela sua construtora. Se o empreiteiro já tiver trabalhando com este equipamento, você com certeza irá notar uma grande redução no custo dos serviços. As principais razões para isso é que as equipes ganham muito com agilidade no transporte, deixam de ter gastos com horas extras (aqueles funcionários que ficam até tarde da noite subindo material para o dia seguinte), ganha produtividade na execução dos serviços, diminui número de ajudantes de carga e transporte, entre outros fatores.

Especificamente falando da produtividade, é muito prazeroso para o trabalhador fazer o serviço sem interrupções de falta de material. Eu já fiz algumas pesquisas referente a esse assunto e posso afirmar que a velocidade que o material chega para o trabalhador é diretamente proporcional à motivação do mesmo em terminar o serviço mais rapidamente e com qualidade.

Agora me fala, como mensurar isso?

Eu não sei se pra você isso tem o mesmo significado do que pra mim, mas, trabalhador motivado resulta em obra com mais qualidade e menor prazo! E a melhor forma de mensurar isso é o resultado em que isso gera no cronograma e no orçado/realizado da obra.

Segue abaixo alguns dados reais de desempenho de uma grua comparados com o mesmo serviço sendo utilizado sem a grua:

Serviço de revestimento de paredes (emboço) com massa usinada feito em 23/03/2016 em um edifício de 20 pavimentos: Foi executado por 4 pedreiros e apenas um ajudante para encher a caçamba com a massa. A grua colocou a massa na plataforma em 5 viagens no 19° pavimento. A caçamba tinha 1,0 m³, totalizando 5,0 m³ de massa ao final das 5 viagens. Foram revestidos aproximadamente 100,00 m² de parede em 4 horas. Total de 6,25 m²/hora por pedreiro. RUP de 0,16h/m². (Se você não sabe o que é RUP, leia ESTE artigo).

Mesmo serviço, executado no mesmo empreendimento em 09/02/2016.

Número de funcionários: 4 pedreiros e 4 ajudantes (1 na betoneira e os outros dois no transporte da massa da betoneira até a cremalheira. Lá em cima no andar (12° pav.) mais um ajudante para descarregar a massa da girica.
Tempo de serviço para executar os mesmos 100,00 m² = 8,5 horas. Total de 2,94 m²/ hora de pedreiro, mais custo de 4 ajudantes somente para o transporte. RUP de 0,68h/m².

Número de viagens com a cremalheira para levar a massa nas giricas para os oficias no 12° andar = 15 viagens (2 giricas grandes de 180 litros).

Comparativo entre tempo de descarga do caminhão de massa = 30 minutos

Mistura da massa de emboço na betoneira e subida para o 12° pav. = 7 horas

Detalhe que no segundo caso, usamos argamassa batida na obra, pois não daria pra subir tanta massa usinada pela cremalheira antes do cimento entrar em pega (5 horas para esse traço).

Imagine uma outra situação: Alvenaria do 21º pavimento de um empreendimento vertical, quanto tempo levaria para um ajudante levar 500 unidades de blocos cerâmicos para o pavimento de destino pelo elevador cremalheira e o tempo que a grua gasta para fazer o mesmo serviço. É claro que nem precisaria ser feita tal comparação, a grua sairia disparadamente na frente. Porém, nós fizemos: 14 minutos (5 pallets) da grua contra 3,5 horas do ajudante (Aproximadamente 26 blocos no carrinho, por viagem.) pela cremalheira.

Percebam que em nenhum exemplo eu falei de valores, certo? Isso é muito relativo para cada região e também existem várias configurações para este equipamento, como velocidade do motor, raio de atuação, capacidade de carga, etc.

Então, esta conta da viabilidade eu deixo para você que com certeza deveria ter ficado interessado ao final da leitura deste artigo.

Enfim, eu também poderia ficar horas divulgando mais resultados, mas o artigo ficaria extenso. A questão é, eu não consigo mais fazer obra se uma grua e adotei este equipamento para todos os meus empreendimentos!